Share |

BE apresenta lista recheada de independentes no município da Horta

 

O Bloco de Esquerda apresentou hoje uma candidatura à autarquia da Horta composta maioritariamente por cidadãos sem filiação partidária, como é de João Stattmiller, primeiro candidato à Câmara Municipal, e Sílvia Lino, que encabeça a lista à Assembleia Municipal.

O Bloco de Esquerda põe assim em primeiro lugar as pessoas, sem privilegiar critérios de filiação partidária, abdicando de uma candidatura própria para se colocar à disposição de um grupo de cidadãos, e integrando este projecto sem impor condições.

O primeiro candidato à CMH é João Stattmiller, 40 anos, sociólogo, antigo funcionário das Nações Unidas (UNICEF) com vasta experiência ao nível da pesquisa social e gestão de projectos de desenvolvimento. Regressado às suas origens depois de mais de duas décadas pelo mundo, recusa o fatalismo e a negatividade que nos rodeia e defende a ideia de que o futuro está aqui. 

A primeira candidata à Assembleia Municipal é Sílvia Lino, 33 anos, Licenciada em Engenharia Biotecnológica, doutoranda do DOP, Universidade dos Açores e bolseira da Fundação para a Ciência e Tecnologia. Depois de 7 anos de investigação científica, está a dar um contributo para a valorização dos recursos do mar dos Açores, procurando produtos naturais marinhos para o tratamento do cancro e malária.

Propor medidas que permitam facilitar a participação dos cidadãos na gestão e tomada de decisão do município, alertar para a necessidade de uma clara separação entre Estado e Partidos nomeadamente através da não partidarização da função pública e do combate aos clientelismos partidários, propor iniciativas viáveis que a curto prazo promovam emprego sustentável, bem-estar social e qualidade de vida aos faialenses, e contribuir para uma visão estratégia mais ampla que permita construir um futuro para o Faial, são os objectivos da candidatura.

Os candidatos independentes hoje apresentados assumem que vão fazer “uma campanha pela positiva, olhando para o futuro, não caindo na tentação de gastar tempo e energia na crítica destrutiva e no bota abaixo”.