Share |

BE denuncia discriminação salarial na COFACO em Dia Internacional da Mulher

 

O Bloco de Esquerda/Açores assinalou hoje o Dia Internacional da Mulher com uma acção de rua junto da Fábrica da COFACO em São Miguel, denunciando a discriminação salarial a que as trabalhadoras desta empresa são sujeitas, uma vez que não têm direito a progressão na carreira. Existem casos de mulheres que trabalham naquela fábrica há dez, vinte e mesmo trinta anos, e que continuam a ganhar apenas o salário mínimo, sem qualquer promoção pelos anos de serviço.

Galeria de fotografias desta acção do BE/Açores

Em declarações aos jornalistas, a coordenadora da Comissão de Ilha de São Miguel do Bloco de Esquerda começou por referir que “no Dia Internacional da Mulher evocam-se as muitas conquistas pela igualdade de direitos entre homens e mulheres, mas é necessário lembrar também que nos Açores, como no mundo, a opressão sobre as mulheres é, infelizmente, uma realidade”.

 

Lúcia Arruda referiu ainda que, apesar de a legislação estabelecer a igualdade de direitos entre homens e mulheres, existem ainda situações de clara discriminação, como é o caso das cerca de 500 mulheres, que estão na categoria de manipuladoras nas fábricas da COFACO em São Miguel e no Pico: “Estas mulheres vêem explorada a sua força de trabalho, anos sem fim, sem qualquer perspectiva de poder progredir ou ambicionar mais na sua carreira”.

A líder do BE na ilha de São Miguel exigiu uma maior responsabilidade social por parte desta empresa, “até porque tem recebido milhões de euros de apoios públicos ao longo dos anos”, lembrando que esta mulheres, que manipulam o tão prezado produto que todos gostam de apresentar como de sendo de excelência, mas que é feito à custa da exploração da força de trabalho destas mulheres.