Share |

BE quer garantir segurança do porto da Horta e aumentar capacidade da marina

O candidato do Bloco de Esquerda à Câmara Municipal da Horta defende que a autarquia deve exigir a reposição da segurança do porto da cidade, o aumento da capacidade da marina e a concretização do Centro de Investigação das Ciências do Mar no Faial.

Apontando o mar como elemento central no desenvolvimento da Horta, Mário Moniz considera fundamental que o próximo executivo da autarquia seja inflexível na luta pela defesa do Faial junto do Governo Regional.

“De porto seguro, passámos a baía de movimentação marítima instável”, disse o candidato do BE, referindo-se aos efeitos de obras que “por incompetência ou incúria”  pioraram as condições excelentes que o porto oferecia.

“Exigiremos que seja reposta a segurança dentro do nosso porto, recorrendo às entidades competentes como o LNEC para análise das falhas e auscultação das respetivas soluções”, disse o candidato.

Mário Moniz lembra que a marina da Horta é “uma das mais movimentadas do mundo” e que “já não consegue responder à crescente afluência de iates”. Por isso, defende que a autarquia tem que lutar “pelo melhoramento de condições na nossa marina e pelo aumento da sua capacidade”.

Ainda na defesa da afirmação da Horta como cidade do mar, Mário Moniz insiste na importância de ser instalado no Faial um Centro Internacional de Investigação das Ciências do Mar, tendo o DOP como ponto de partida: “São cada vez mais os interessados nos nossos mares, no conhecimento das suas riquezas e potencial biotecnológico. A sua implementação no Faial, não só se traduzirá num polo económico, mas também num potenciador da instalação de empresas de biotecnologia, e outras de múltiplos serviços”, justifica.

O candidato recorda o processo relacionado com a prometida instalação deste centro de investigação no Faial, e aponta o dedo ao PS e PSD que nada fizeram perante o facto de o PS ter “enganado os faialenses”, ao ter prometido a concretização do projeto durante a campanha das Regionais, para rapidamente – depois das eleições – esquecer o projeto.