Share |

BE questiona Governo Regional sobre cancelamentos de escalas no porto da Calheta

O Bloco de Esquerda quer saber que ações serão tomadas pelo Governo Regional no sentido de regularizar o abastecimento de mercadorias no porto da Calheta, em São Jorge, e se existem problemas estruturais que inviabilizem o normal toque dos navios neste porto.

Recorde-se que os comerciantes do concelho da Calheta, em São Jorge, queixam-se reiteradamente da falta de regularidade de escalas, no porto daquele concelho, das embarcações que fazem o transporte marítimo de mercadorias, e que só o ano passado foram canceladas 20 escalas.

“Tendo em conta o exagerado número cancelamentos de escalas, facto que distorce as boas regras do mercado, já questionou o Governo Regional o operador sobre as razões para o sucedido?”, pergunta o BE num requerimento enviado hoje ao Governo Regional, em que também é perguntado se o Governo Regional tem meios para confirmar o acerto da decisão de não atracar tantas vezes no porto da Calheta, e a justeza e seriedade das razões evocadas pelo operador para suportar essa decisão.

Sempre que esta escala é cancelada, os comerciantes são obrigados a levantar a mercadoria no porto das Velas e fazer o transporte para a Calheta, o que implica um custo acrescido, que poderá, no futuro, ser imputado aos consumidores.

O BE salienta que o transporte marítimo de mercadorias é peça fundamental para garantir a execução de uma política de coesão territorial na Região, de modo a garantir o abastecimento regular de mercadorias a todas as ilhas.

AnexoTamanho
20180109_requerimento_-transporte_maritimo_de_mercadorias_para_a_calheta_de_sao_jorge.pdf202.63 KB