Share |

Intenção da AMISM de construir novo aterro sanitário confirma política de resíduos desastrosa

A intenção de construir um novo aterro sanitário na ilha de São Miguel, revelada ontem pelo presidente da AMISM confirma o desastre que constitui a política de resíduos nos Açores, e em particular na ilha de São Miguel.

A AMISM, com o apoio tácito do Governo Regional, optou pela incineração em detrimento de políticas de redução da produção de resíduos e de uma forte aposta na reciclagem, com recolha porta-a-porta. O projeto da incineradora, megalómano desde a primeira hora e sempre insustentável nas suas diversas versões, que se arrastou anos a fio, mesmo antes de concluído, já põe em causa toda a política de resíduos e a própria qualidade ambiental da ilha de São Miguel.

A sucessiva construção de novas células para o aterro só se justifica pelas enormes quantidades de resíduos indiferenciados, parte deles com potencial de valorização através da reciclagem e compostagem que, por não existir recolha seletiva porta-a-porta, são depositados em aterro, diminuindo o seu tempo de vida útil e desperdiçando o potencial de reutilização e valorização dos resíduos.

É por isso necessário e urgente – como já propôs o BE na Assembleia Municipal de Ponta Delgada, tendo a proposta sido rejeitado por PSD e PS – reavaliar o projeto da incineradora e elaborar uma estratégia de gestão de resíduos para S. Miguel que coloque o ambiente e a qualidade de vida da população à frente do negócio obscuro da incineração.

Importa salientar que ainda que, numa ilha com os problemas relacionados com a gestão de resíduos como São Miguel, é incompreensível e inaceitável que todos os anos os navios de cruzeiro que escalam Ponta Delgada descarreguem milhares de toneladas de resíduos indiferenciados que são depois depositados em aterro, reduzindo o seu tempo de vida útil e assim aumentando a necessidade de criação de novos aterros sanitários para prejuízo do ambiente em S. Miguel e para benefício de quem fatura milhares à conta desse negócio.

 

Comunicado da Comissão de Ilha de São Miguel do BE/Açores