Share |

O assédio moral

Humilhação, abuso, desconsideração, prepotência. Palavras que descrevem, na íntegra, o assédio moral no trabalho.

A prepotência exercida por parte de patrões, e mesmo colegas, sujeitando trabalhadores e trabalhadoras a uma exposição constante de situações humilhantes e constrangedoras, que, muitas vezes, passam pelo esvaziamento e destituição de funções.

Mantêm-se cargos, mas diminui-se o âmbito das funções que correspondem a esses mesmos cargos, atribuindo-se essas responsabilidades a colegas que se vangloriam com manobras delineadas. Porque nisto nada pode falhar. E para que não falhe, nada mais adequado do que colocar colegas contra colegas e colegas com medo de colegas.

De repente, é-se alvo de patrões e alvo de colegas! Teme-se até a própria sombra, não vá essa estar na hora e no lugar errado.
O medo substitui o respeito. O medo ensurdecedor que, gradualmente, abre atalhos para que a prepotência e arrogância de chefias ganhe espaço na vida profissional e pessoal das pessoas.

A desconsideração poderá ser de tal ordem que a vida profissional acaba por ocupar o dia e as noites das pessoas. Entre o silêncio das meias palavras, das meias posturas, dos meios sorrisos e das muitas formas de humilhações, levam-se para casa horas de sufoco, receio de despedimento e o medo de estranhas teias que se formam.

A vida profissional deixa de ser saudável, passando a ser encarada como aqueles pesadelos dos quais não acordamos nem quando estamos de olhos bem abertos.

Não pensemos que as posturas de vitimizar, humilhar, hostilizar, inferiorizar, ridicularizar, culpabilizar, não fazem parte da realidade regional. Engana-se quem pensa que devido à nossa proximidade não existem casos de verdadeiro assédio moral, subtilmente disfarçados e apresentados como estratégias de modelos organizacionais.

E, assim, passo a passo, como o crocodilo que avança, as vitimas vão perdendo a sua auto estima, criando fissuras emocionais, acumulando ansiedades e temendo cada toque do despertador.

Afinal, quantas baixas psiquiátricas são necessárias para insuflar determinados egos?