Dezembro 11, 2012 06:21 PM

É absolutamente urgente alterarmos, na Região, as normas mais lesivas do valor do trabalho, inscritas no novo Código de Trabalho. O BE/A fez uma proposta concreta. Vamos ao Trabalho!

Dezembro 3, 2012 06:47 PM

Este governo tem de ser demitido, não por ser incompetente, mas porque procura, com uma frieza arrepiante, atirar os portugueses do muro abaixo e simultaneamente retirar-lhes toda e qualquer rede de protecção.

Dezembro 3, 2012 06:23 PM

Hoje, face ao tsunami social e económico inevitável, por via do “abandono” da Base das Lajes pela administração norte-americana, só há um caminho digno para o actual Governo Regional: exigir, adequadas compensações excepcionais para os trabalhadores despedidos, para a economia da ilha Terceira e, em particular, do concelho da Praia da Vitória, tanto à administração norte-americana, quanto ao governo português; estabelecer uma moratória para a desactivação da componente militar da base; lançar, durante este período, os estudos e a concretização de utilizações pacíficas para esta infra-estrutura, capazes de desenvolver a economia da Ilha e da Região.

Novembro 29, 2012 01:14 PM

Não posso deixar de lamentar que, em pleno Séc. XXI, haja ainda quem afirme “que as greves podem contribuir é para piorar ainda mais as coisas”, quando o que francamente me parece piorar as coisas é ainda haver quem subestime a voz de um Povo!

Novembro 26, 2012 02:29 PM

Se a promessa de Vasco Cordeiro, de usar as prorrogativas autonómicas, na defesa dos Açores, contra as medidas de austeridade criminosas impostas por Vítor Gaspar, fosse verdade, a primeira medida deste Governo teria que ser (porque poderia ser) a devolução dos subsídios confiscados aos/às trabalhadores/as, em nome da dinamização da economia regional, da legalidade e do respeito por quem trabalha.

Novembro 23, 2012 12:46 AM

ao longo das 203 páginas do seu Programa, não se encontram propostas de medidas concretas de combate eficaz ao desemprego e à dinamização da economia. Não sei se “… porque o pai não quer”, se “… lhe dói a barriga”, ou, talvez, “… porque joga o Benfica”.