Share |

A pobreza do Governo ou vice-versa

Se entendermos que Pobreza pode ser definida por uma  carência que envolve as necessidades da vida quotidiana, como alimentação, vestuário, alojamento e cuidados de saúde, então, podemos entender que se trata da carência de bens e serviços essenciais à sobrevivência.

Posto isto, desilude-me o estado social que se vive nos Açores, ainda mais quando se "floreia" a coisa, fazendo acreditar, aos mais distraídos, que nos Açores tudo está bem, os números são positivos, a economia cresce, e estamos estáveis.

Ou andam doidos, ou pensam sermos todos cegos... até  outubro, claro.

O acesso aos cuidados de saúde, o número de açorianos sem médico de família, e o próprio sistema de saúde na região, estão uma vergonha.

No que diz respeito a alojamento, e apesar dos programas de apoio e incentivos governamentais à aquisição ou arrendamento de habitação, não posso deixar de dizer que os mesmos ou as condições de acesso, estão desadequadas à realidade económica e social dos açorianos, fora os casos de habitações sobrelotadas ou sem as melhores condições, em que algumas famílias residem.

Se passarmos ao vestuário, e aqui se tivermos em conta o número de açorianos que vivem do RSI, no limiar da pobreza, ou com ordenados muito baixos, fora os dos "empregos precários", gostava de saber onde ficou o nosso poder de compra nesse aspecto. Basta fazer um levantamento de lojas solidárias, feiras, e a quantidade de pessoas que a elas recorrem, para ficarmos logo com uma ideia do grande poder de compra que existe na região...

Por último, passo para a alimentação. A situação nos Açores, além de dramática, é vergonhosa para os nossos governantes. A fome instalou-se nos Açores, até mesmo onde antes nunca a pensaríamos ver. É normal uma mãe fazer uma mini sopa com 4 ou 5 folhas de couve, umas batatas, e um pouquinho de carne (o mínimo mesmo), para o filho poder comer a carne e a batata e a mãe ficar com o resto, numa sopinha que a vai alimentar, se calhar, em 2 ou 3 refeições?! É normal quando vou ao café, ver um jovem adulto, pedir a um ou outro cliente €0,20 para juntar e poder beber um copo de leite?! É normal, quando vejo à minha frente, na caixa de um supermercado, uma idosa acabar por deixar metade dos produtos para uma sopa atrás, por não ter dinheiro para pagar tudo?! É normal, ver, de manhã, a caminho do trabalho, uma criança tirar um pão de um saco pendurado numa porta, após a passagem do padeiro, de forma a poder comer antes de ir para a escola?!

Por favor, o que é isto?! São os Açores em que nos transformamos, à custa de uma maioria que decide, o quê, e como fazer com seres humanos... E somos nós que contribuímos para os dinheiros públicos da Região. Tenham vergonha, senhores governantes. Tenham coragem açorianos. Coragem para aguentar, e acima de tudo inverter, em breve, o estado em que nos puseram a viver, isto tem que mudar.