Author Bios

Intervenções:

Opinião:

  • O PS e o seu governo perderam ambição e vontade de transformação; gerem a Região como forma a manter uma elite económica bem instalada, ao mesmo tempo que promovem o atropelo dos direitos dos trabalhadores favorecendo uma política de precariedade e baixos salários.

  • Carlos César diz que há muito rendimento não declarado nos Açores. Mas os responsáveis pela economia paralela não são os trabalhadores por conta de outrem, que para alimentar as suas famílias são obrigados a trabalhar por baixos salários, muitas vezes abaixo do salário mínimo, com vínculos precários e à hora, e onde o salário médio é quase 100 euros abaixo do nacional.

  • Para Ricardo Rodrigues as gaivotas eram as principais suspeitas da contaminação da água do ilhéu de Vila Franca. Até havia quem quisesse desatar aos tiros às pobres aves, esquecendo-se que o ilhéu é uma reserva natural. Afinal a contaminação tem origem humana.

  • A celebração do fim dos casos de covid-19 nos Açores, em junho, não foi ingénua: o PS quis ficar com os louros dos resultados do combate à pandemia. Mas isso foi um erro lamentável porque transmitiu uma mensagem de que tínhamos vencido o vírus.

  • Não se pode esperar mais! Ou a demolição e as obras do projeto aprovado começam no imediato ou Governo e Câmara têm de colocar, por uma vez, o interesse do povo em primeiro lugar e devolver Calheta às pessoas.

  • Quem fez tábua rasa da Lei do Mar que o parlamento dos Açores aprovou foi o PS que, em cima da hora da votação na Assembleia da República, retirou aos Açores o poder de gestão e ordenamento do mar para além das 200 milhas e aprovou sozinho uma alteração inaceitável à proposta inicial.

  • Não estabelecendo um distanciamento mínimo nas salas de aula, a Direção Regional da Educação apenas aponta a possibilidade de se fazerem ajustes das turmas às salas. Ou seja, não podendo desdobrar turmas nem tendo salas maiores, as escolas terão de deixar tudo como dantes, não cumprindo o distanciamento que se impõe atualmente em todos os espaços fechados.

  • Se não conhecermos os recursos do nosso mar, se não os estudarmos e se não tivermos a massa crítica para avaliar o que pode ou não ser feito, seremos apenas espectadores, ou pior, vítimas de um saque de imensas riquezas.

  • Fazer elogios e bater palmas é fácil. Garantir direitos e melhorar salários já é outra história. Quando se trata de dar direitos a quem os merece, o PS deixa os trabalhadores para trás.

  • O Governo da República e o PS, deliberadamente, não querem cumprir as medidas que estão previstas no Orçamento do Estado para os Açores.