Share |

“Niguém ganha com a privatização da EDA”

 

“Niguém ganha com a privatização da EDA”, alertou hoje a coordenadora do BE/Açores, explicando que a concretizar-se a intenção do Governo Regional de privatizar a empresa de electricidade regional, perdem os trabalhadores, perdem os consumidores, e perde a Economia dos Açores.

Zuraida Soares mostrou grande preocupação com o conteúdo do relatório da Inspecção Geral de Finanças que refere que o processo de privatização da EDA “está muito adiantado em termos de intenção e de prospecção de mercado”, e alertou para os riscos desta eventual privatização: “haverá despedimentos e os preços dos tarifários vão subir – porque o objectivo de uma empresa privada é apenas o lucro –, e apesar do encaixe imediato de alguns milhões nos cofres da Região, este dinheiro vai desaparecer a médio ou longo prazo, e não há ninguém que o reponha”.

Além disso, é o próprio serviço público de energia que fica em causa: “Se houver um problema de distribuição de eletricidade no Corvo, ou na Graciosa, ou nas Flores, por exemplo, será que uma empresa privada estará na disposição de pagar os custos que implica deslocar uma equipa para resolver rapidamente o problema?”, questiona Zuraida Soares.

A líder do Bloco nos Açores criticou ainda o Governo Regional pelo tratamento dado aos trabalhadores da empresa: “quando se trata de impor obrigações aos trabalhadores a EDA é privada, mas quando se trata de retirar direitos aos trabalhadores já é pública”.

Zuraida Soares criticava, assim, o Executivo Regional por ter retirado os subsídios de férias e de natal aos funcionários da EDA: “Esta poupança traduziu-se na redução dos traifários? Não. Então para onde foi o dinheiro retirado aos trabalhadores? Foi para os grupos privados que detêm parte significativa do capital da EDA, que receberam este dinheiro em dividendos, limpos de impostos”.

O Governo Regional tem que clarificar o estatuto da empresa e criar um regime de excepção para os trabalhadores desta empresa, desafiou a líder do Bloco.