Opinião

Numa crise que afeta quase toda a economia como um tsunami é preciso que ninguém, nem nenhum setor, fique desprotegido.

Grande parte da sociedade já compreende a necessidade de substituir a micro-racionalidade da obtenção do lucro por uma macro-racionalidade social e ecológica.

Adere ao Bloco

Destaque

A Comissão de Ilha do Bloco de Esquerda da ilha Terceira saúda a decisão – difícil mas necessária – de cancelar as festas Sanjoaninas, e desafia a autarquia de Angra do Heroísmo a canalizar para apoios sociais as verbas que estavam inicialmente destinadas a esta festa – à semelhança do que irá acontecer no concelho da Ribeira Grande, em São Miguel.

O BE defende a simplificação das medidas de apoio às empresas para pagar salários, de modo a que seja possível aumentar o número de postos de trabalho protegidos. Esta é uma das propostas que o BE enviou ontem ao presidente do Governo Regional, com o objetivo de contribuir para uma melhor resposta aos efeitos sociais e económicos provocados pela atual situação de pandemia. As outras proposta apresentadas pretendem reforçar o apoio às vítimas de violência doméstica, garantir apoios aos pescadores, e tranquilizar os trabalhadores das IPSS quanto ao seu posto de trabalho.

Notícias

O Bloco de Esquerda criou uma plataforma nacional – acessível também a partir do site do BE/Açores – para recolher denúncias relativas a abusos e ilegalidades sobre trabalhadores neste período extremamente delicado. O objetivo da plataforma “despedimentos.pt” é criar um registo e um mapa nacional da irresponsabilidade social de quem despede e abusa dos trabalhadores em plena pandemia e reunir informação relevante que permita a proteção dos empregos.

“Temos que responder à crise de saúde pública, mas também à crise económica, defendendo o emprego e defendendo a coesão social”, alertou hoje o líder do grupo parlamentar do Bloco de Esquerda em reunião da Comissão Permanente. António Lima deu nota da existência de relatos de despedimentos ilegais e imposições abusivas aos trabalhadores perante a atual crise e pediu mais fiscalização para evitar abusos.

O Bloco de Esquerda lamenta que a reunião da Comissão Permanente do parlamento realizada hoje não tenha contado com a presença do Presidente do Governo Regional. O BE entende que esta reunião devia ter servido para o Governo “transmitir ao parlamento o ponto de situação da crise epidemiológica, as medidas já implementadas e as que se preparam”.

O Bloco de Esquerda defende que o parlamento deve funcionar apenas com a Comissão Permanente – apenas 25 deputados – para análise das medidas do Governo Regional e debate de propostas no âmbito da crise provocada pela epidemia do novo coronavírus e propõe – com este objetivo – a audição do presidente do Governo Regional, por vídeo-conferência.

 

[Ler comunicado da reunião de Comissão Coordenadora Regional na íntegra]

Dossiers

Assina