Share |

“Os açorianos têm o direito a saber se é o Chega e André Ventura que mandam no Governo Regional dos Açores”

António Lima perguntou a José Manuel Bolieiro se é o Chega e André Ventura que mandam no Governo Regional. Em causa está o silêncio sobre as condições que o Chega impôs publicamente para aprovar o Orçamento: criação de um apoio à natalidade que exclui os mais pobres, encerrar a SATA Internacional e uma remodelação nos membros do Governo.

“Os partidos que suportam o Governo têm que dizer se aceitam ou rejeitam a proposta do Chega de suposto apoio à natalidade, que atribui um prémio de 1500 euros aos mais ricos, excluindo os mais pobres, e se a SATA é para fechar como foi dito pelo deputado do Chega ou é para salvar como tinha anunciado o Governo”, disse o deputado do Bloco de Esquerda.

“Pelos vistos estão mais interessados em manter-se no governo do que em salvar a SATA”, assinalou ainda o líder parlamentar do Bloco de Esquerda.

Relativamente à exigência de remodelação do Governo feita pelo Chega que, segundo o deputado José Pacheco, foi acatada pelo presidente do Governo, António Lima questionou diretamente José Manuel Bolieiro: “Já que, pelos vistos, quem manda no governo e anuncia as remodelações, como se fosse o seu chefe, é o Chega, o senhor ao menos seja porta-voz desta remodelação e diga qual daqueles senhores e daquelas senhoras” que estão na bancada do governo “estão ali a mais e vão-se embora”.

“Os açorianos têm direito a saber qual a remodelação que vai haver no governo por exigência do Chega e de André Ventura, que, pelos vistos, manda no governo dos Açores”, disse ainda António Lima, que considerou esta interferência do líder nacional do Chega no governo regional como a “suprema humilhação da Autonomia e dos Açores”.

Na resposta, José Manuel Bolieiro respondeu apenas que “qualquer remodelação é competência exclusiva do presidente do Governo”.

Perante esta resposta, António Lima insistiu: “O que senhor presidente do governo regional tem de dizer é se é verdade, ou não, aquilo que disse o deputado José Pacheco: que tinha a sua garantia de que havia remodelação do Governo”. Perante uma pergunta simples cuja resposta teria que ser “sim” ou “não”, o presidente do Governo não respondeu.