Share |

Fim do transporte marítimo de passageiros para os grupos ocidental e oriental é uma machadada do Governo Regional na coesão

O fim do transporte marítimo de passageiros para as Flores, Santa Maria e São Miguel é “uma mancha na atuação do Governo Regional do PSD, CDS e PPM” e “é uma machadada na coesão dos Açores”, disse a deputada Alexandra Manes, do Bloco de Esquerda.

Alexandra Manes critica o facto de o Governo ter tomado esta decisão sem ouvir as autarquias e os empresários das ilhas mais afetadas, e sem trazer o assunto a debate no parlamento.

“O Governo Regional do PSD, CDS e PPM – que está sempre a dizer que dá importância à transparência, ao diálogo e à centralidade do parlamento – escolheu o início do mês de agosto para acabar com o serviço de transporte marítimo de passageiros para os grupos Oriental e Ocidental, sem ouvir o parlamento e sem ouvir as autarquias e os empresários das ilhas mais afetadas por esta decisão”, disse a deputada numa interpelação ao Governo sobre transportes marítimos.

Alexandra Manes salienta que o fim do transporte de passageiros por via marítima terá “especial impacto nas ilhas mais pequenas”, onde “este transporte, mesmo que sazonal, contribuía fortemente para a economia”. A deputada refere ainda que, com esta decisão, o Governo Regional “vai isolar, ainda mais, a ilha das Flores”, que está na “periferia da ultraperiferia”.

O Bloco de Esquerda não compreende também que o Governo tenha decidido acabar com este serviço para só depois realizar um estudo sobre o transporte marítimo na Região. “Então, o Governo, primeiro toma a decisão de acabar com este serviço de transporte marítimo de passageiros, e depois é que vai fazer um estudo?”.

O Bloco de Esquerda reconhece que era necessário melhorar o serviço de transporte marítimos de passageiros, mas a solução não pode ser acabar com o serviço, como fez este Governo.