Share |

O Governo diz que a riqueza aumentou e o BE pergunta “onde está o dinheiro?”

“Se a riqueza disponível cresceu, nos Açores, mas o empobrecimento progressivo é a regra, na esmagadora maioria dos lares açorianos, tal só quer dizer que a redistribuição desta riqueza é profundamente desequilibrada”. A conclusão é da Comissão Coordenadora do BE/Açores que, perante o anúncio do aumento do PIB da Região, em 2013, pergunta ao Governo Regional “onde está o dinheiro?”, porque, “se não está na maioria dos bolsos de quem trabalha – que chega a meio do mês e já não consegue pagar as despesas mais elementares –, tem que sobrar, nos bolsos de alguns poucos”, disse a dirigente Zuraida Soares.

Depois de analisar os mais recentes dados sobre o desemprego na Região, e sem negar que houve uma descida no número de desempregados, o BE não encontra – ao contrário do Governo Regional – razões para festejar, uma vez que estes números reflectem a entrada, em pleno funcionamento, de diversas medidas para apoio a desempregados: “Entre estágios, programas de ocupação e postos de trabalho sustentados por dinheiros públicos, estão mais de 5 mil açorianos e açorianas”.

 “É evidente que o BE apoiou todas estas medidas, porque bem sabemos que, para quem não tem trabalho, qualquer coisa é melhor do que nada. Mas estas medidas não alteram, na essência, a precariedade das vidas das pessoas, a insegurança no futuro e a intranquilidade, em cada casa”, lamenta Zuraida Soares.

O Bloco de Esquerda demonstra preocupação pelo facto de – fora destas medidas e programas – o número de trabalhadores a tempo inteiro, nos Açores, no último ano, ter diminuido, e o facto de o novo emprego ser, preferencialmente, a tempo parcial, tendo este aumentado em 17%.