Share |

BE lamenta que direita alinhe com o Chega no ataque aos pobres para chegar ao poder

O Bloco de Esquerda lamenta que os partidos da direita dita democrática – PSD, CDS, PPM e IL – alinhem com o Chega – “um partido xenófobo, de índole racista, e que tem ódio aos pobres” para chegar ao poder. Em declarações após a audição com o Representante da República, António Lima, coordenador do Bloco reiterou que o partido está “disponível para viabilizar um programa de governo do PS para impedir a formação de um governo de direita”.

António Lima rejeitou por completo a hipótese de apoiar “uma coligação entre partidos de direita que numa situação de grave crise económica e social tem como principal objetivo político reduzir e cortar nos apoios sociais”.

“Em plena crise, cortar apoios sociais é uma profunda desumanidade. O que vamos precisar é de mais apoios sociais”, defende o líder do Bloco nos Açores.

António Lima acusa mesmo os partidos de direita de cederem ao Chega e de aceitarem “atacar os pobres para chegar ao poder”.

Aquilo que o Bloco transmitiu ao Representante da República foi que “deve ser o PS a formar Governo”. O BE reitera que não está disponível para nenhum acordo de governo nem de incidência parlamentar, e que está disponível apenas para viabilizar o programa de governo do PS.

“Estamos perante duas possibilidades de governo. E todos os partidos são chamados a decidir sobre os programas que forem apresentados no parlamento. O BE está disponível para viabilizar um programa de governo do PS para impedir a formação de um governo de direita”, explicou.

“A partir daí o BE negociará medida a medida, com a sua exigência de sempre, defendendo o seu programa e defendendo a confiança que as pessoas depositaram no Bloco de Esquerda”, adiantou ainda António Lima, salientando que a eventual viabilização de um governo à esquerda “não é um cheque em branco ao PS”.