Share |

Catarina Martins diz que posição geoestratégica e mar dos Açores têm que estar ao serviço da Região

Catarina Martins diz que a posição geoestratégica dos Açores e o potencial do seu mar são “enorme riqueza” que tem que estar ao serviço dos Açores. A coordenadora nacional do BE apontou o Porto da Praia da Vitória como uma infraestrutura com grande potencial, e alertou para os efeitos negativos da sua privatização, o caminho escolhido pelo PS.

“É preciso que os açorianos e as açorianas tenham na sua mão o poder de decidir sobre a extraordinária riqueza da Região, para que o desenvolvimento não seja para enriquecer só alguns, mas sim para garantir qualidade de vida e a dignidade de todos e de todas”, disse a coordenadora nacional do Bloco de Esquerda, numa visita ao Porto da Praia da Vitória, hoje de manhã.

A Terceira, “que tem esta posição geoestratégica tão especial, deve saber ganhar com esta riqueza, mas também aprender com as experiências que correram mal, para não repetir erros, não entregar a exploração do porto aos grandes consórcios internacionais, que vão ocupando os portos nacionais à custa da precariedade e dos baixos salários dos trabalhadores”, disse Catarina Martins.

“A ideia de que os açorianos e as açorianas nunca são bons suficientes para decidir sobre esta riqueza é uma ideia errada, que pode levar muitos a ganhar muito dinheiro à conta da Região, mas que a generalidade da população veja a pobreza a falta de qualificações como o quotidiano”, afirmou a líder nacional do Bloco, que defendeu o investimento público que se transforme em emprego qualificado e com salário digno.

“Nós temos visto ao longo de mais de duas décadas de governação do PS, algo que é muito paradoxal e preocupante, é que a riqueza dos Açores tem vindo a crescer, mas a pobreza e as desigualdades também, e com dados muito preocupantes, como é o facto de os Açores registarem a maior taxa de abandono escolar precoce do país. Isso deve dizer-nos alguma coisa sobre os investimentos que são necessários”, disse ainda Catarina Martins.

Sobre as eleições regionais que se aproximam, Catarina Martins salienta que “o Bloco de Esquerda tem sido a verdadeira oposição nos Açores”. “Estou muito confiante no trabalho que o Bloco nos Açores tem feito. Não tem faltado a nenhuma luta”, acrescentou.

Alexandra Manes, primeira candidata do Bloco na Terceira, considera que as potencialidades do porto da Praia da Vitória e do aeroporto das Lajes estão “altamente condicionadas pela presença de uma base militar estrangeira” na ilha, e lamenta que não haja coragem política para retirar os norte-americanos da Basa das Lajes.

A candidata do Bloco acusa os Governos da República e dos Açores de colocar os interesses de Portugal na NATO à frente dos interesses da Terceira.

Quanto ao Porto da Praia da Vitória, Alexandra Manes critica a opção pela privatização e diz que “em vez de aproveitarmos, para nós, as condições extraordinárias do porto da Praia da Vitória, vamos entregar a empresas privadas, que vão retirar daqui enormes lucros”, e deu mesmo um exemplo recente dos efeitos negativos de uma privatização: “Os CTT, desde que foram privatizados, dão uma péssima resposta às necessidades das pessoas”.